Refluxo Gastroesofágico Fisiológico


O Refluxo Gastroesofágico (RGE) é um processo fisiológico normal que ocorre em bebês saudáveis, crianças e adultos. Ele representa uma das queixas mais frequentes em consultórios de Pediatria e Gastroenterologia Pediátrica, e a maioria dos episódios é rápida e não causa sintomas, lesões esofágicas ou outras complicações.

O refluxo é definido como a passagem do conteúdo gástrico, através do esfíncter esofágico inferior (EEI), para o esôfago, com ou sem regurgitação e/ ou vômito.

O refluxo fisiológico é extremamente comum em crianças saudáveis, em que o conteúdo gástrico pode refluir para o esôfago 30 ou mais vezes por dia. Muitos, mas não todos episódios de refluxo podem resultar em regurgitação para a cavidade oral. A frequência de refluxo, assim como a proporção dos episódios de refluxo que resultam em regurgitação, diminui com o aumento da idade, de tal modo que a regurgitação fisiológica ou vômitos diminuem no final do primeiro ano de vida.

O refluxo do lactente torna-se sintomático nos primeiros meses de vida com um pico por volta dos quatro meses, resolvendo-se, na maioria dos casos, por volta de 12 meses. Nos demais, por volta de 24 meses.

Nos lactentes, o refluxo é comum e, na maioria dos casos, não é patológico. Poucas crianças com refluxo fisiológico desenvolvem outros sintomas sugestivos da doença do refluxo gastroesofágico, incluindo sinais de esofagite (irritabilidade, recusa alimentar, arqueamento, sufocamento e engasgos), hematêmese, anemia, sintomas respiratórios e déficit de crescimento. As apresentações respiratórias podem manifestar-se como apneia obstrutiva, estridor ou doenças das vias aéreas inferiores.

O diagnóstico é feito através da história clínica e exame físico completo. Geralmente a criança apresenta um bom desenvolvimento com bom ganho de peso.

Como o diagnóstico é feito basicamente através da história clínica e do exame físico, não há necessidade de exames complementares.

Portanto, o tratamento com medicamento não é necessário.

Segue as orientações para o tratamento:

  • medidas posturais: elevar a cabeceira da cama e manter a criança ereta após alimentação;

  • medidas dietéticas: manter aleitamento materno exclusivo. Se o bebê toma fórmula, fracionar as mamadeiras e, em alguns casos, utilizar fórmulas espessadas. As mamadeiras devem ser administradas com a criança em posição semi elevada e, após a alimentação, esperar pelo menos quarenta minutos para deitar;

  • em crianças maiores, deve-se evitar: refrigerante, chocolate, achocolatado, café, fritura, embutidos, molhos de tomate e biscoitos recheados.

Às dúvidas devem ser esclarecidas na consulta com o seu pediatra ou procure um especialista na área de Gastroenterologia Pediátrica.


Compartilhe para que outras pessoas também possam ter essa informação.

Dr. Mateus Andrade

Pediatra, Gastroenterologia Infantil – CRM 116585

5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo