Pseudo-obstrução intestinal crônica (POIC)

O termo pseudo-obstrução intestinal crônica denota um conjunto de sinais e sintomas próprios da interrupção do fluxo do conteúdo digestivo intraluminal normal, sem apresentar um fator obstrutivo anatômico. A pseudo-obstrução pode ocorrer em qualquer região do trato gastrointestinal. Ela pode ser aguda, em função de um íleo paralítico, crônica remitente ou persistente. É uma entidade rara e grave, caracterizada por sinais e sintomas repetitivos de obstrução intestinal, indicada radiograficamente pela presença de níveis hidroaéreos e de ausência de oclusão luminal. Esta síndrome representa a forma mais grave dentre os distúrbios de motilidade do trato gastrointestinal, pois pode ocasionar falência digestivo-absortiva.

A doença é classificada como congênita quando o processo ocorre nos primeiros 2 meses de vida, e como crônica quando o processo persiste por mais de dois meses após o nascimento, ou mais de seis meses em outras idades.

Formas: a origem da POIC pode ser devida às seguintes condições patológicas, a saber:

· Neuropática: os neurônios entéricos encontram-se afetados;

· Mesenquimopatia: as alterações ocorrem nas células intersticiais de Cajal;

· Miopática: as anormalidades encontram-se nas células musculares.


Quadro clínico: Os sintomas clínicos são muito variáveis, dependendo da área e da extensão do trato digestório comprometido. A distensão abdominal é o denominador comum, acompanhada de outros sintomas, como náuseas, anorexia, vômitos, dores abdominais e constipação. É comum ocorrerem surtos de diarreia em razão do supercrescimento bacteriano no intestino delgado. Os sintomas podem ser intermitentes e envolver outros sistemas. É comum a ocorrência concomitante de infecção do trato urinário. O quadro sintomático pode ser insidioso durante os primeiros anos de vida, porém, com o tempo, torna-se notória a presença de distensão abdominal de graus variáveis, náuseas e dores abdominais com alívio parcial, quando o paciente evacua ou apresenta vômitos. São comuns o timpanismo do abdome e a presença de borborigmos.


Diagnóstico: A radiografia simples de abdome, apresentando alças dilatadas de forma difusa e presença de níveis hidroaéreos no intestino delgado, dá suporte para o diagnóstico. O trânsito intestinal, quando realizado, demonstra, na maior parte dos pacientes, alças intestinais dilatadas, com lentidão da progressão do contraste. Muitas vezes, o tempo total de trânsito excede 96 horas. Nos pacientes com menos de 1 ano de idade, é comum detectar vícios de rotação do intestino delgado. Há casos em que a dilatação das alças estende-se pelo intestino grosso, sugerindo quadro de pseudo-Hirschsprung (Megacolon). O exame histológico associado a técnica imuno-histoquímica e ultraestrutural permite distinguir as formas miopáticas das neuropáticas de POIC. A manometria antroduodenal não é considerada teste obrigatório para confirmação diagnóstica, não sendo realizada rotineiramente nos diferentes serviços de pediatria.


Tratamento: Na maior parte das vezes, o tratamento da POIC é complexo e mulidisciplinar, envolvendo as disciplinas de gastroenterologia, cirurgia pediátrica, nutrição, enfermagem e terapia ocupacional.


Converse sempre com o seu pediatra para esclarecer as dúvidas. Em alguns casos vai necessitar de avaliação de um especialista na área de atuação em Gastroenterologia Pediátrica.


Compartilhe para que outras pessoas também possam ter essa informação.

Dr. Mateus Andrade

Pediatra, Gastroenterologia Infantil – CRM 116585

Referências bibliográficas:

  • Gastroenterologia e Nutrição em Pediatria - Capítulo de Pseudo obstrução intestinal

2 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo