Introdução Alimentar: é diferente nas crianças com Alergia ao leite de vaca?


A alimentação complementar é definida como o processo que se inicia quando o aleitamento materno exclusivo não é mais suficiente para os requerimentos nutricionais do bebê, e então, outros alimentos são necessários. Segundo a Organização Mundial da Saúde, o aleitamento materno exclusivo deve ser mantido até os 6 meses de vida, quando se inicia a alimentação complementar. A maturidade fisiológica e neurológica é importante para o início desse processo. Ao desenvolver as capacidades de sustentar a cabeça, sentar, pegar objetos e levar a boca, o bebê vai demonstrando a sua prontidão para a introdução de sólidos. Para receber os alimentos, a criança deve estar sentada, com uma postura reta, em um local confortável e seguro, em uma altura em que ela possa relacionar-se com quem a está alimentando e com os outros membros da família. As recomendações para a alimentação complementar variam muito de acordo com cada cultura. No Brasil, é comum iniciar a introdução de sólidos com frutas e seguir com a refeição completa no almoço e depois no jantar. Mas cada família pode ter as suas especificidades e ter orientações diferentes, de acordo com a avaliação do médico ou nutricionista. Com relação à textura, a consistência líquida e mais diluída pode comprometer o aporte de nutrientes, a percepção dos sabores e o desenvolvimento da mastigação. A comida pode ser oferecida amassada com o garfo e, aos poucos, evoluir. Também é possível que a criança receba alimentos macios em pedaços grandes para que possa pegar com a mão e levar à boca.

Nessa fase, é natural que a criança coma pouco, pois o leite materno ainda é o principal alimento. Comer é um ato aprendido e os cuidadores podem facilitar essa aprendizagem respeitando os sinais de fome e saciedade do bebê. Conversar sobre a comida, olhar para a criança e sorrir são boas estratégias. É desaconselhável utilizar atrativos como TV, celular ou tablet.

Ao realizar refeições com a família, a criança recebe muitos estímulos para o seu aprendizado. A alimentação permite que a criança capte muito do ambiente em que vive e as práticas alimentares da família (o que, como e quando a criança come) desempenham um importante papel na formação de hábitos e influenciam na relação com a comida ao longo da vida.

A introdução alimentar pode ser um momento de experiências positivas, aprendizado e afeto, para tal, o ambiente deve ser acolhedor e tranquilo.

A introdução alimentar do bebê portador de APLV segue as mesmas linhas gerais da orientação que é dada à qualquer família, entretanto é necessário buscar orientação de um profissional da saúde especializado. A depender do diagnóstico o profissional de saúde pode sugerir que evite a introdução simultânea de dois ou mais alimentos novos no mesmo dia e, para as reações tardias, pode sugerir aguardar alguns dias entre a introdução de um alimento e outro para certificar-se de que o alimento testado foi tolerado. Na prática, a orientação do profissional pode ser oferecer um alimento novo e, depois de 3 dias, oferecer outra novidade.

Como não existem evidências que sustentem a hipótese de que a introdução de alimentos potencialmente alergênicos após um ano de idade contribua para a prevenção de alergia, a introdução da alimentação complementar deve seguir normalmente, de acordo com os hábitos da família, desde que seja saudável e adequado, e seguindo as orientações do médico ou nutricionista, claro! O profissional de saúde não irá sugerir a exclusão de alimentos como ovo, peixe e carne, a menos que haja a suspeita consistente de alergia ou reação confirmada após o seu consumo Para pacientes com elevado risco de desenvolver alergias mediadas por IgE ou com história prévia de reação grave, entretanto, o médico pode fazer o rastreamento com dosagens de IgE antes da introdução dos alimentos mais alergênicos.


*material da empresa "Danone Nutricia"

No arquivo abaixo você tem acesso ao e-book com informações de introdução alimentar para crianças com APLV.

Introducao de alimentos_A5_APLV
.pdf
Download PDF • 10.17MB

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo